Google+ Followers

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

SITUAÇÃO DIDÁTICA DA AULA



TEMA: VARIAÇÃO LINGUÍSTICA

DINÂMICA DA AULA

1. Objetivos

  • Ensinar partindo da realidade social dos alunos, de suas vidas, do que eles sabem e gostam.
  • Refletir sobre sotaque, tom de voz, modo como utilizam as construções sintáticas, as referências e outras marcas.
  • Identificar as variedades lingüísticas que concorrem para a construção de sentido.
  • Utilizar a variedade padrão.
  • Observar e aplicar a variedade padrão nos mais diversos textos: notícia, reportagem, editorial, anúncio publicitário, crônica.

2. Material

  • Música.
  • Texto impresso sobre "Variação Lingüística" (abaixo: Assaltantes).
  • Rótulos, tirinhas, quadrinhos, gibis (Chico Bento/Cebolinha).
  • Tranparências/retroprojetor.

3. Sequência didática

  • Sensibilizar o grupo através de um movimento de fluidez dirigido ao som da música: olhos fechados, mover os dois braços paralelamente para frente e para o alto, para baixo e para trás de forma lenta e contínua, sem dobrar o tronco, mas flexionando ligeiramente os joelhos. Depois fazer o mesmo movimento com os braços alternados. Finalmente mover-se pela sala com leveza.
  • Solicitar aos participantes que formem uma roda, de pé, e que fechem os olhos. Neste momento, deverão prestar atenção apenas na voz do professor que fará a leitura do texto:

Assaltante Nordestino
Ei, bichim...
Isso é um assalto... Arriba os braços e num se bula nem se cague e nem faça
bagunça... Arrebola o dinheiro no mato e não faça pantim senão enfio o peixeira no teu bucho e boto teu pra fora!”
Perdão meu Padim Ciço, mas é que eu tô com uma fome de moléstia...

Assaltante Mineiro
Ô sô, prestenção... Isso é um assalto, uai...
Levanta os braços e fica quetin que esse trem na minha mão tá cheio de bala...
Mió passá logo os troado que eu num tô bão hoje.
Vai andando, uai! Tá esperando o que uai!!

Assaltante Gaúcho
Ô guri, ficas atento... Báh, isso é um assalto.
Levantas os braços e te quieta, tchê.
Não tentes nada e cuidado que esse facão corta uma barbaridade, tchê.
Passa as pilas prá cá! E te manda a la cria, senão o quarenta e quatro fala.

Assaltante Carioca
Seguiiinnte, bicho ... Tu te fudeu. Isso é um assalto...
Passa a grana e levanta os braço rapá... Não fica de bobeira que eu atiro bem pra caralho
Vai andando e se olhar pra trás vira presunto...

Assaltante Baiano
Ô meu rei... ( longa pausa)
Isso é um assalto... (longa pausa)
Levanta os braços, mas não se avexe não... (longa pausa)
Se num quiser nem precisa levantar, pra num ficar cansado... Vai passando a grana, bem
devagarinho... (longa pausa)
Num repara se o berro está sem bala, mas é pra não ficar muito pesado... Não esquenta,
meu irmãozinho, (longa pusa)
Vou deixar teus documentos na encruzilhada...

Assaltante Paulista
Ôrra, meu... Isso é um assalto, meu... alevanta os braços, meu.
Passa a grana logo, meu...
Mais rápido, meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pra comprar o ingresso do jogo do Curintia, meu... Pô, se manda, meu...

Assaltante de Brasília
Querido povo brasileiro, estou aqui, no horário nobre da TV para dizer que no final do mês, aumentaremos as seguintes tarifas: água, energia, esgoto, gás, passagem de ônibus, IPTU, IPVA, licenciamento de veículos, seguro obrigatório, gasolina, álcool, imposto de renda, IPI, ICMS, PIS, COFINS.
                                                             Texto retirado da internet – Autor desconhecido.

  • Explicar que a escrita deste texto expressa uma forma jocosa, caricatural do modo como as pessoas falam de acordo com as regiões.
  • Abrir o debate para as características da fala de grupos sociais, não só geográficas ou regionais, mas também ligadas às profissões, à idade e as outras, lembrando também que a forma de falar de certa forma apresenta a pessoa.
  • Abordar o conceito de adequado e inadequado e inadequado e o preconceito entre o certo e o errado.
  • Explicar aos alunos que as falas deles e a de todos expressam a vida que vivem, o que sabem, seus valores, sentimentos e desejos.
  • Explicar-lhes que dependendo do espaço onde é produzida a nossa fala, isto é, do conhecimento do cotidiano, das diversas situações e pessoas, da História, da Religião, da Literatura, do contexto social, econômico e cultural, vamos lendo a realidade de diversos modos.
  • Apresentar textos para que seja observada a linguagem utilizada em diferentes situações (formal/informal).

4. Transparências
O professor pode organizar transparência ou slides para complentar o assunto.
5. Atividades (Vivência)

  • Fazer uma "chuva de idéias" em torno das palavras de uso adequado e inadequado da linguagem. Os grupos devem registrar em painéis as expressões, sintetizar e organizar conceitos.
  • Refletir sobre os fatores políticos, sociais e culturais que estimulam o inibem a variação lingüística.
  • Reconhecer a manifestação de preconceitos lingüísticos como estratégia de  dominação. Refletir sobre a atitude crítica e não preconceituosa em relação às variedades lingüísticas e estilísticas.
  • Avaliar o uso das variedades lingüísticas e estilísticas em um texto, considerando a situação comunicativa e o gênero textual.
  • Provocar o grupo a pensar como se forma, em nossa mente, as representações e os significados.
  • Comentar as várias formas de falar das pessoas.
  • Utilizar anúncios publicitários de revistas, para reconhecimento do uso da linguagem e a forma como a fala é usada.
  • Abrir espaços para os participantes fazerem a leitura crítica dos anúncios e demonstrarem as estratégias usadas pelos anunciantes e a exploração da linguagem.
  • Estabelecer diferenças entre o texto: Variação Linguística e os anúncios publicitários.
  • Abordar o prestígio e o preconceito liguístico.

6. Avaliação

  • Conclusões apresentadas em plenário por um representante do grupo.
  • Perguntas polêmicas para as quais o grupo não tenha respostas prontas.
  • Observação.

7. Leitura

     Estimular a leitura:
     BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico.
     ______________. A língua de Eulália.

Nenhum comentário:

Postar um comentário